Dia das crianças retrô

21 09 2009

O dia das crianças está chegando e, para comemorar a data, a C&A preparou uma campanha coloridamente divertida, totalmente inspirada no estilo retrô da década de 1960. Como já é tradição na companhia, a promoção “Leve 4 peças do infantil e pague 3” está de volta. E a DM9DDB foi a agência responsável pela criação da estratégia publicitária que divulga a promoção.

Anúncios em revistas, material de ponto de venda e filme já podem ser apreciados, desde o último dia 16, nos veículos de comunicação e nas lojas da rede.

No comercial para televisão, ambientado em uma lanchonete tipicamente americana, crianças cantam e dançam animadamente entre mesinhas, neons e garçonetes que deslizam com seus patins pelo chão xadrez do ambiente.

Além de divulgar a promoção que, como o nome antecipa, presenteia com uma peça do mostruário infantil os clientes que adquirirem três modelos da coleção, o filme anuncia também que os compradores ainda concorrem a diversos prêmios da linha Barbie ou Hot Wheels. Para participar, é preciso preencher um cupom em qualquer unidade do grupo e responder à pergunta: “Qual a loja que deixa todas as crianças na moda?”.

Os brindes, num total de 3.675 itens, são dos mais variados – vão de boneca à pista acrobática e carrinhos, passando por malas, agendas e patinetes. Os participantes da promoção irão conhecer, no dia seguinte à data comemorativa, os vencedores que levarão os presentes para casa.

Dia das crianças

Direção de Criação: Sérgio Valente e Ricardo Tronquini
Criação: Ricardo Tronquini, Jéssica Richetti e Geraldo Gonçalves
Atendimento: Claudia de Almeida, Patricia Vieira e Marina Bumlai
Produtor de RTVC: Gilberto Pires (Gibinha)
Aprovado por: Elio França, Thais Lima e Renata Monteiro
Produtora Imagem: O2
Diretor: Dainara Tofoli
Diretor Fotografia: Lito Mendes da Rocha
Montador: Estevan Santos
Finalização: O2 Filmes
Produtora de Som: Raw Produtora de Áudio

Texto copiado por Acauã Pyatã na integra do site Portal da Propaganda, fonte no link aqui.





Publicidade é venda? (parte III, o fim…)

26 08 2009

Por Ramon Kenny (2º semestre – CSPP – FAPAN – Hydra)

Certo dia, 25/08/2009, estava na sala de aula na faculdade quando numa explicação da professora, surge a seguinte expressão: Publicitário não pode ter preconceito!

É verdade, eu concordo com isso. Já pensou, eu daqui um tempo (curto, muito curto) atuando na área, e vem até mim um diretor do Clube do Remo e me pede pra fazer uma campanha para atrair mais torcedores aos jogos do Remo, mesmo eu sendo Paysandu apaixonado, devo deixar de lado minha paixão, e mergulhar de cabeça no que meu cliente deseja. Sem essa de “vira-casaca”, é meu trabalho, e devo encarar com seriedade. Mas, e quando eu quero difundir um conceito, uma ideia, um novo comportamento; devo fazer o quê?

Primeiramente você deve analisar o briefing do seu cliente. Após isso, inicia-se uma pesquisa sobre a ideia, o que as pessoas acham a respeito, o que elas sabem sobre o assunto, quais as classes a serem atingidas, consultar através de pesquisas em campo com as pessoas, o perfil que o cliente quer atingir, se são os jovens até 25 anos, pessoas maduras entre 35/45 anos, homens, mulheres, crianças. Alguns anos atrás, foi veiculado uma propaganda a cerca de preconceito aos portadores da síndrome de Down. A trilha do comercial é do grupo Radiohead (música fake plastic three). Eu considero a peça uma das mais perfeitas já produzidas no Brasil, pois agrega a questão de forma simples, direta e objetiva, e não é preconceituosa. Eles conseguiram aliar a sequencia de cenas com as legendas e a música, de forma que não dá pra ficar estático diante deste filme publicitário. É algo que emociona, no final, quando vemos que o Carlinhos é o garotinho especial, e o amigo é o garoto “normal”. É uma indução proposital, para que no final, o telespectador seja pego de surpresa, e tenha por um segundo a sensação de como é ridículo tal preconceito.

É algo emocionante, muito além de vender, veja abaixo o vídeo, e eu duvido que você fique indiferente. E se você ainda não viu, por favor, veja.





Pra não esquecer…

3 08 2009

Apresento a vocês o primeiro VT finalizado do Blog Galo da Pan!





“Cachorro-peixe” ganha em Cannes

21 07 2009

120733spacefox2

O “cachorro-peixe” da propaganda do VW SpaceFox conquistou o grande júri do 56º Festival Internacional de Publicidade de Cannes, na França. O filme foi eleito o melhor comercial de TV do mundo na categoria Filme Publicitário de Automóveis.

O comercial cachorro-peixe é o 1º ouro do Brasil em filmes, na subcategoria automóveis, depois de 27 anos. Veja o comercial no You Tube:

Fonte: Notícia veiculada no site do Diário do Pará





Nostalgia da propaganda

30 06 2009

Ter participado das Quartas do Reclame foi uma experiencia singular a minha pessoa e creio que nas de muitas, pelo que pude observar nas reações causadas pelas imagens exibidas no telão, de reclames que remontam épocas de nossa vida em que ao recordar temos aquela sensação de que “tudo era tão bom, eramos felizes e não sabíamos” (rsrsr), e tentando encontrar mais propagandas antigas e interessantes da década de 70 e 80 no Youtube achei uma que, com certeza toca fundo, pela imagem e pelo jingle, que diga-se de passagem é assinado por um dos grandes nomes da MPB e da música nordestina, falo de Renato Teixeira, o que canta Romaria. A imagem em si irá causar um impacto imediato. Resolvi postar este vídeo aqui devido a importância que eu creio haver nele dentro da forma simples e dos elementos que o compõe, e eu tenho certeza de que se você tem a minha idade ou mais, seja você criado em Belém ou no interior do estado, irá com certeza sentir que “tudo era tão bom e divertido” quando íamos na mercearia da esquina com uma moeda de 10 centavos para comprar 02 balinhas de leite e caramelo vendo o baleiro girar.





Um conto infantil Hi Tech!

16 06 2009

Quantos de nos ja não ouvimos falar quando crianças da historinha do João e Maria? Isso mesmo, está confuso? Aqueles que deixam migalhas de pão pra poder encontrar o caminho de volta pra casa! Poise, a AT&T, empresa famosa mundialmente por suas soluções no ramo de telecomunicação, em especial de telefonia está com um novo comercial, produzido pela BBDO Worldwide, e com com certeza vale a pena conferir, porque a tecnologia dos GPS’s, pelo visto ja colou até nos contos de fadas. Pra que migalhas de pão?





“O tempo passa, o tempo vôa e a poupança Bamerindos continua numa boa…..”

10 06 2009

Por Acauã Pyatã (CS1P34 / Darwin – CSPP – 1º Semestre).

Começo esse artigo com a parte da letra de um jimgle que muitas pessoas com certeza, em especial aquelas que tem minha idade, 22 anos, devem se recordar. Esse trecho de musica era da propaganda do banco Bamerindos, que hoje já não existe mais. Contudo, o objetivo deste artigo não é discutir sobre o extinto banco Bamerindos, e sim chamar a atenção de vocês, jovens aspirantes a publicitários e meus colegas, para o poder que a musica em si, a sonorização causa dentro da propaganda.

É um fato cientificamente por estudos em várias partes do mundo, que a musica tem um efeito de mentalização direta e indireta, podendo chegar até mesmo a ser subliminar. Um grande exemplo disso é quando estamos andando na rua e de repente começamos a cantar uma musica, e paramos nos instigando de forma curiosa: “afinal de contas onde foi que eu ouvi isso”, ou quando ouvimos uma musica e dizemos: “eu já ouvi essa musica em algum lugar mas não me lembro aonde”. Isto de fato ocorre, porque embora não percebamos a mente humana capta através dos sentidos todo tipo de contato e estimulo comunicacional do meio que nos rodeia. As vezes estamos andando na rua, passa aquele carro som tocando uma musica, e embora não estejamos prestando atenção na musica, por estar com atenção desviada a algo, nossa mente capta e guarda, e é exatamente isto que ocorre com a propaganda.

Crianças principalmente tem a capacidade de assimilação e aprendizagem superior a de adultos já formados, podendo mentalizar coisas de forma mais fácil, como é o caso das nostálgicas propagandas do guaraná Antártica, do “pirocoptero”, ou até mesmo no caso do jimgle da propaganda do banco Bamerindos, que embora já tenha declarado falência a mais de 10 anos eu calculo, ainda continua vivo na memória, ao contrario de outras propagandas que estão mais apagadas justamente por não terem tido essa sonorização, como é o caso de uma que foi muito massificada, mas que poucos lembram, alias… você lembra do: “Formosa… sem grito”?

Então devemos refletir de forma clara acerca de todos os recursos criativos e artísticos que podem ser utilizado na propaganda para consagrar, popularizar e principalmente, eternizar marcas. Eu tive a “luz” de escrever este artigo enquanto estava passando uma chuva em um toldo de padaria vendo TV, e então vi um reclame, o do medicamento Eparema, que troce uma sonorização musical muito boa e que com certeza irá marcar bastante a propaganda desta geração e das mais novas, e nisso eu aposto. A musica e sonorização na propaganda tem o poder de prender a atenção ou simplesmente estragar tudo, isto é fato, e antes que alguns apocalípticos da propaganda digam que isto é reinventar a roda, eu digo que isto é criar e não copiar, pois recursos consagrados como este realmente se renovam a cada dia, a cada nova propaganda. Abraços!

Ah sim… com vocês o dito comercial do Eparema.